Parashah 35: Naso (Faça) 4.21-7.89

Resumo da Parashah

Naso-Illustration.png

Vimos na Parashah B’midibar que foi realizado o recenseamento de todos os homens levitas com idade igual ou superior a um mês (totalizando 22.273). Na Parashah Naso, um censo adicional é feito de três clãs levitas, contados entre idade de 30 a 50 anos, todos encarregados por servir na tenda do encontro.

Assim, após o censo, os descendentes de Levi, distribuídos cada qual de acordo com sua linhagem, para o serviço no tabernáculo,  foram assim divididos:

– Gersonitas – Descendentes do filho primogênito de Levi, Gershon. Este clã era o responsável pelo transporte dos artigos de tecido do tabernáculo (revestimentos das paredes e do teto do tabernáculo). Estavam sob a direção de Itamar, filho de Aharon;

– Kohatitas – Descendentes do filho do meio de Levi, K’hat. Este clã era o responsável de carregar os objetos sagrados do Tabernáculo;

– Meraritas – Descendentes do filho mais novo de Levi, Merari. Estes eram encarregados do transporte de armações, barras transversais, colunas e encaixes do Tabernáculo; também as colunas do pátio externo, com seus encaixes, estacas, cordas e outros acessórios, e tudo o que diz respeito a seu serviço;

– Os Kohanim – Descendentes Aharon, bisneto de Levi. Este clã era o responsável por realizar todos os sacrifícios e outros rituais em nome de todo o Ysra-EL. Sendo sacerdotes, somente os Kohanim podiam realizar avodah, ou seja, o serviço sacerdotal.

Prosseguindo na Parashah vemos que o Eterno ordena a Moshêh que expulse do acampamento qualquer pessoa impura ou afligida por tzara’at para que “não viessem macular o acampamento”.

Em seguida o Eterno ordenou a Moshêh dizer aos Israelitas que, se alguém cometeu um pecado, ele ou ela deveria confessá-lo e fazer a restituição total pelo erro, somando 20% aos danos causados à parte ofendida. Embora isso pareça referir-se ao pecado de roubo, em reflexão, entende-se que todo o pecado é uma espécie de roubo, uma vez que a vida nos foi dada para fazer a vontade de Elohim e a transgressão daquilo roubará do Eterno a glória devida ao seu Nome.

Prosseguindo na parashah também vemos que a Torah proporcionou um meio para testar a fidelidade de uma mulher ao marido nos casos em que havia uma dúvida razoável. Isso é chamado de lei do “Sotah”. O marido traria a esposa aos kohanim e apresentaria os motivos do “ciúme”. Apresentava uma oferta de cevada ao invés de trigo, sem adição de óleo e especiarias, como era costume para a oferta de minchah. Um kohen então pegaria a oferenda e colocaria na mão da mulher e esta deveria fazer um juramento perante o Eterno. Em seguida o kohen prepararia “água amarga” que a mulher seria obrigada a beber.

O kohen tomaria um vaso de barro e enchia de água na pia de bronze ou lavatório (kiyyor nechoshet), misturando um pouco de pó do chão do mishkan, mexendo-o na água. O kohen escrevia em um pergaminho a maldição que descrevia o castigo da mulher, escrito com o sagrado nome do Eterno e lavava na água da amargura e em seguida a mulher era obrigada a tomar a água da amargura e maldição. Caso ela fosse impura e tivesse sido infiel ao marido, a água entraria nela e a tornaria amarga, inchando seu abdômen e suas partes íntimas eram atrofiadas, tornando-se assim, um objeto de maldição entre o povo. No entanto, se a mulher não fosse impura ela era inocentada e abençoada com filhos.

O Talmud no tratado de Sotah 27b afirma que, a sentença de morte dolorida que era dada a mulher que tivesse mentido após beber das águas amargas, a mesma sentença de morte era dada ao homem que tivesse sido adultero com ela.

Em seguida é dada a lei do “Nazir” (nazireu), que era um voto de consagração por um período específico de tempo em dedicação ao Eterno. A palavra nazir significa “consagrado”, ou “separado”. Para se tornar um nazireu, uma pessoa (homem ou mulher) deveria fazer um voto de nazirut (voto nazireu). Isto envolvia abster-se de três coisas: consumo de vinho ou produtos derivados da videira; cortar o cabelo (por um período de tempo específico); manter contato com um cadáver (incluindo os membros da própria família).

Muito embora as maiorias dos votos de nazireu fossem temporários (geralmente 30 a 100 dias), alguns eram Nazireus desde o nascimento até a morte (por exemplo, Shimshon (Juízes 13:7) e Yohanan haMatbil (Lucas 1:15-17). Observamos ainda que o rabino Sha’ul também fez voto de nazir (Atos 18:18, 21: 22-26), demonstrando assim sua fidelidade à observância da Torah como seguidor de Yeshua.

Prosseguindo na parashah o Eterno dá ordens a Aharon e seus filhos para abençoar o povo de Ysra-EL, estabelecendo a benção sacerdotal e por fim retrata as ofertas e outros objetos entregues por cada uma das tribos ao mishkan. Muito embora as ofertas fossem iguais, cada um dos lideres tribais trouxeram suas ofertas em um dia diferente como descrito na Torah.

Da parashah notamos que o Eterno não ordena aos kohanim (sacerdotes) que abençoem as pessoas usando suas próprias palavras, mas antes fornece a formulação exata para a benção, assim dizendo:

“Adonai disse a Moshêh: ‘Fale a Aharon e seus filhos, e diga-lhes que vocês devem abençoar o povo de Ysra-EL dizendo-lhes:

‘Y’verekh’kah Adonai y’yshmerekah

                [Que Adonai o abençoe e guarde.]

                Ya’er Adonai panav eleikha vichunekka.

                [Que Adonai faça sua face brilhar sobre você e mostre a você seu favor.]

                Yissa Adonai panav eleikha v’yasem l’kha shalom’.

                [Que Adonai levante sua face na sua direção e dê paz a você.] (B’midbar 6.22).

Da mesma forma com a qual Yeshua antes de ascender aos céus (Lucas 24.50-51) abençoou seus talmidim, também nós, sendo livres de nossa antiga natureza e imersos no Mashiach, morrendo para o pecado, sejamos merecedores de que Ele também possa proferir a benção sacerdotal a nós, mas, em primeira pessoa:

“Eu os abençoou e os guardo.  

                Eu faço brilhar minha face sobre vocês e mostro a vocês meu favor.

                “Eu levanto minha face na sua direção e lhes dou shalom”.

Ámen.

Escrito por Ets Uri Ben Avraham (Alex) Judeu Nazareno.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s