Parashah 24: Vayikra (E chamou) 1.1 – 5.26 (6.7)

Resumo

hqdefault (1)

O livro de Vayikra começa com o Eterno chamando Moshêh do ohel mo’ed (Tenda do Encontro), informando-lhe acerca das várias ofertas de animais e de refeições (korbanot) que eram permitidas para ofertas de sacrifícios.

O Eterno que de Bereshit a Sh’mot revelou sua divindade, nomeando Ysra-EL como seu povo escolhido, firmando a aliança no Sinai agora, tomou residência entre o povo no mishkan (Tabernáculo).

Assim, Vayikra revelará como estar em relação com o Eterno que habita no meio do povo. Uma coisa marcante desta relação do povo com o Eterno é o sistema sacrificial.

Dentre os animais kosher que poderiam ser aceitos, apenas três poderiam ser sacrificados sobre o altar: bois (touro ou vaca), ovelhas (carneiro [ou cordeiro – carneiro jovem] ou ovelha), ou cabras (um bode [ou cabrito que é um bode jovem] ou cabra). Estes são animais domesticados e pacíficos.

Além disto, somente dois pássaros foram autorizados, ou seja, um pombo ou um pombinho, aves que também são pacíficas.

A pessoa também poderia oferecer ofertas de cereais que seriam usadas parte como oferta feita pelo fogo e parte para fornecer pão aos kohanim (sacerdotes).

Haviam cinco tipos de Korbanot que são citados na parashah:

Olah era uma oferta que era “completamente queimada”;

Minchah, “oferta de cereais”;

Shelamim, “ofertas de paz”;

Chatat, “oferta pelo pecado”;

Asham, “oferta pela culpa”;

O livro de Vayikra exerce muita influência no cotidiano do judaísmo tradicional, ou seja, dos judeus não crentes em Yeshua, pois quase metade das 613 mitzvot encontradas nele e grande parte do Talmud é baseado neste livro. É um costume muito praticado hoje que as crianças iniciem-se os estudos das Escrituras justamente por este livro.

Este sistema de relacionamento do Eterno para com seus servos e seu povo não mudou. A chave deste relacionamento continua sendo  o sistema sacrificial, porém, não é mais aquele realizado por meio do sacrifício de animais mas por meio do sacrífico perfeito e definitivo que é o sacrifício expiatório de Yeshua Hamashiach.

A própria Brit Chadashah diz respeito à superioridade do sacrifício do Mashiach que fez a kapparah (expiação) por nossos pecados de uma vez por todas. Por meio do sangue derramado de Yeshua recebemos a expiação completa dos nossos pecados perante o Eterno, assim, nos reconciliamos com Ele.

Sem o sacrifício expiatório de Yeshua, ou seja, sem o derramamento de sangue (Lv 17:11) jamais teríamos um relacionamento com o Eterno que deseja habitar em nós.

Quando se oferecia o korban, o culpado inclinava as mãos sobre a cabeça do animal proferindo o viduy (confissão). Assim, quando o Eterno via o sangue derramado ou a fumaça ascendente do sacrifício, perdoava o pecador com base na fé e no seu arrependimento.

Da mesma forma devemos colocar as mãos em Yeshua e proferir o verdadeiro viduy a Ele exprimindo nosso mais sincero arrependimento, implorando pelo perdão dos nossos pecados para que no futuro, por meio de sua “graça”, Baruch HaShem, possamos ser dignos de salvação. Amén.

Escrito por Ets Urin Ben Avraham

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s