A exaltação de Yeshua em Rosh HaShaná

A exaltação de Yeshua em Rosh HaShaná

Tsadok Ben Derech

Machzor (plural: Machzorim) é o livro de orações que rege as celebrações judaicas de Rosh HaShaná e Yom Kipur.

Um fato bastante curioso é que em dois Machzorim do Judaísmo Ortodoxo há expressamente a exaltação do nome de Yeshua.

Em um Machzor publicado na Polônia, no século XIX, Yeshua é mencionado durante o ponto áureo de Rosh HaShaná, quando o shofar é tocado. Eis a página 131:

Transliteração e tradução:

Yehi ratzon milefanêcha YHWH Elohai veElohei avotai shetekiat

Que seja da tua vontade, YHWH, meu Elohim e Elohim dos meus pais que o toque

TaShRaT (קשק ) she-anachnu tokyim hayom tihiê merukêmet hayeriá

TaSHRaT que nós tocamos hoje seja bordado na cortina [do Templo];

Al yad hamemuná Tartiel keshem shekibalta al yad Eliyahu

Pela mão do encarregado [anjo] Tartiel, como recebeu pela mão de Eliyahu (Elias),

Zachur latov vi-YESHUA sar hapanim ve-sar metatron

Que é lembrado para sempre, e YESHUA, o Príncipe da Presença e Príncipe Metatron.

vetimale aleinu berachamim. Baruch ata baal harachamim

E tu nos encherá de misericórdia. Bendito sejas tu, o Senhor da misericórdia.

Explica-se.

TaSHRaT é um acróstico que se refere a determinada sequência de toques do shofar: Tekiá – Shevarim – Teruá – Tekiá.

A cortina (“véu”) refere-se àquela que ficava no Templo (Beit HaMikdash), separando o Lugar Santo (Kodesh) do Santo dos Santos (Kodesh HaKodashim).

Tartiel é o nome de um anjo.

Consoante o Machzor citado, durante a festa de Rosh HaShaná, judeus ortodoxos tocam o shofar e exaltam o nome do Mashiach:

“YESHUA, o Príncipe da Presença e Príncipe Metatron”.

Percebe-se com clareza que os judeus ortodoxos invocam abertamente o nome de Yeshua.

Há um outro Machzor, publicado por Herbert Adler e impresso nos Estados Unidos (1977) pela Hebrew Publishing Company, que é bastante semelhante ao primeiro. Mas este Machzor possui um detalhe interessante: em todas as suas páginas há, lado a lado, o texto em hebraico com sinais massoréticos (nikudot) e a respectiva tradução para o inglês. Porém, somente na página em que é citado o nome de YESHUA, o texto em hebraico está sem sinais e não há a tradução para o inglês. Ou seja, o judeu ortodoxo que publicou o Machzor fez questão de tentar ocultar o nome de Yeshua, deixando em branco apenas a página em que consta o nome do Mashiach. Não obstante, como dito, na página em hebraico o nome do Mashiach é visualizado facilmente:

Acima, grifou-se em vermelho a seguinte frase:

vi-YESHUA sar hapanim ve-sar metatron

“YESHUA, o Príncipe da Presença e Príncipe Metatron”.

Tendo em vista que os Machzorim citados são livros que condensam as antiquíssimas tradições judaicas, deduz-se que milhares de judeus ortodoxos, de longa data, já reconheceram Yeshua como o Mashiach de Israel, e por isso fizeram questão de exaltar o seu nome durante a festa de Rosh HaShaná.

Os judeus tocam o shofar em Rosh HaShaná e clamam pelo nome de Yeshua, que “coincidentemente” voltará à terra ao som do shofar:

“Porque, se cremos que Yeshua morreu e ressuscitou, assim também aos que em Yeshua dormem, Elohim os tornará a trazer com ele.

Dizemo-vos, pois, isto, pela palavra do Senhor: que nós, os que ficarmos vivos para a vinda do Senhor, não precederemos os que dormem.

Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com o shofar de Elohim; e os que morreram no Mashiach ressuscitarão primeiro” (1 Tessalonicenses 4:14-16).

Nisto vemos a providência do ETERNO: todos os judeus que usam os Machzorim em apreço invocam o nome de Yeshua quando tocam o shofar, isto é, tanto os que creem quanto os que não creem no Mashiach. Em outras palavras, até mesmo os incrédulos são obrigados a engrandecer o nome de Yeshua HaMashiach!

Parece-nos que o ETERNO está fazendo uma prévia, pré-estreia, da profecia do rabino Sha’ul (Paulo):

Texto em aramaico de Fp 2:11 e respectiva tradução:

וכֻל לֵשָׁן נַודֵּא דּמָריָא הו יֵשׁוּע משִׁיחָא לשׁוּבחָא דַּאלָהָא אַבוּהי

“E toda língua confessará que YHWH é Yeshua HaMashiach para a glória de Elohim seu Pai”.

Após a aclamação de Yeshua, todos os judeus repetem o que está escrito nos dois Machzorim citados:

“E tu nos encherá de misericórdia. Bendito sejas tu, o Senhor da misericórdia”.

Atente-se, então, para este importante detalhe: todos os judeus invocam o nome de Yeshua e em seguida pedem a misericórdia do ETERNO. Trata-se de um ato simbólico, ainda que inconsciente, que aponta para o fato de que um dia todo o Israel reconhecerá Yeshua como Mashiach, cumprindo-se as palavras de Sha’ul (Paulo):

“Todo o Israel será salvo” (Ruhomayah 11:26)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s